13 de março de 2019

OFF: BALAIO DE GATO NO TEATRO LALA SCHNEIDER

Meu grande amigo multimídia Jean Rafael, proprietário do Sweet Ballroom Blitz Fan Clube Brasil, cantor e ator (dentre outros) mandou avisar do Balaio de Gato, evento que ocorrerá no Teatro Lala Schneider nos dois últimos dias deste mês.


Mais informações, clique AQUI.


9° EDIÇÃO DA FESTA FLASHBACK EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS

Meu caro amigo Luis mandou o recado: vai ter festa flashback na querida vizinha São José dos Pinhais. Promessa de muito Rock e Eurodisco. Será no dia 23 de março. Mais informações e contato no cartaz abaixo.



25 de fevereiro de 2019

7º FEIRA NACIONAL CURITIBA VINIL

Daqui a quatro semanas teremos a sétima edição da maior feira de vinil de Curitiba: trata-se da Feira Nacional Curitiba Vinil, que ocorrerá no próximo dia 23 de março.


A Feira Nacional (organizada por Ronald Gel) alcançou rápido sucesso de público por buscar a excelência em aspectos primordiais, como seleção adequada de expositores/vendedores, espaço adequado, ótimo mix de itens a venda, atrações e promoções diferenciadas. Isso sem falar na expertise dos mais de 30 expositores oriundos de vários estados do Brasil

Não deixe de conferir a primeira grande feira de discos da capital paranaense em 2019.


Serviço:
VII Feira Nacional Curitiba Vinil
Data: 23 de Março de 2019 (Sábado)
Local: A Travessa  - Rua 13 de Maio, 439, Centro (ao lado da Praça Tiradentes)
Horário: das 09 às 18 horas
Página Oficial: link
Entrada Gratuita

Save Your Money For a Vinyl Fair Day!


24 de janeiro de 2019

SUZI QUATRO LANÇARA DISCO NOVO EM MARÇO DE 2019

Atenção fãs de Glam Rock, a rainha SUZI QUATRO está de volta. A norte-americana anunciou seu mais novo disco: No Control tem previsão de lançamento para março deste ano. Pra quem coleciona bolachões, haverá uma opção em vinil duplo com duas faixas bônus exclusivas.

Este será seu 13º disco de inéditas. O último álbum de SUZI foi In The Spotlight, de 2011. Mais recentemente, SUZI se uniu a ANDY SCOTT (guitarrista do THE SWEET) e DON POWELL (baterista do SLADE) e formou o super trio QSP,  com direito a um discaço lançado em 2017 (ouça "Slow Down" aqui). 

A previsão é que o primeiro single seja divulgado em fevereiro.

Abaixo, capa, e tracklist.


01. No Soul/No Control
02. Going Home
03. Strings
04. Love Isn’t Fair
05. Macho Man
06 .Easy Pickings
07. Bass Line
08. Don’t Do Me Wrong
09. Heavy Duty
10. I Can Teach You To Fly
11 Going Down Blues
12. Heart On The Line (faixa bônus exclusiva do LP)
13. Leopard Skin Pillbox Hat (faixa bônus exclusiva do LP)


Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI.


22 de janeiro de 2019

ROCK DE LUTO: DEAN FORD

Faleceu no último dia 31 de dezembro o vocalista e compositor escocês DEAN FORD. Ele tinha 72 anos e sofria com complicações relacionadas ao Mal de Parkinson. A notícia foi dada pela sua filha por meio de redes sociais.

Embora seu nome não seja reconhecido pelas pessoas comuns, qualquer cidadão com mais de 50 anos e que gosta de música já ouviu sua voz. Ele é o cantor de "Reflections Of My Life", sucesso maior de sua ex-banda THE MARMALADE.


DEAN (de nome THOMAS McALEESE)  começou ainda piá com as bandas THE TONEBEATS, THE CRAVATS e DEAN FORD AND THE GAYLORDS. Mas foi com o MARMALADE que ele arrebentou a boca do balão, alcançando o topo das paradas do Reino Unido em 1969 com "Reflections...", que vendeu mais de 2 milhões de cópias, além de relativo sucesso com uma versão para "Ob La Di, Ob La Da" dos BEATLES. Depois de mudanças na formação, o MARMALADE acabou ainda nos anos 1970. 

Em 1975, DEAN lançou seu primeiro disco solo, produzido por ALAN PARSONS, que não vingou. Três anos depois, participou do disco Pyramid, de PARSONS, onde liderou os vocais na faixa "Can't Take It With You". Em 1979, fez vocais de fundo em faixa extra do disco Airwaves, do BADFINGER, onde trabalhou com o talentoso JOE TANSIN (seu grande parceiro pós MARMALADE).

Durante os anos 1980, enfrentou sérios problemas com a dependência alcoólica. Vivendo nos Estados Unidos, onde era pouco conhecido, trabalhou como motorista de Limousine para estrelas da música como MICHAEL JACKSON e BOB DYLAN. Felizmente ele se libertou da dependência do álcool.

Em 2015, DEAN lançou seu segundo disco solo chamado Feel My Heartbeat com 12 faixas, incluindo uma regravação de 2014 com JOE TANSIN para a tão famosa "Reflections...". Nesse mesmo ano, a dupla lançou o disco The Glasgow Road

Ano passado, pouco antes de sua morte, lançou o disco This Scottish Heart contendo 30 faixas


Abaixo, quatro faixas (incluindo a última versão da história para "Reflections Of My Life").







Descanse em paz, coração escocês.


P.S: este post é dedicado ao meu pai, que me influenciou a gostar de Rock, sempre ralou muito pra conseguir suas músicas preferidas e até hoje curte a música "Reflections Of My Life" com a alma.


20 de janeiro de 2019

ROCK 'N' ROLL PROJECT: NOVA COLEÇÃO COMPLETA (E EXTRAS) A VENDA

Meu grande amigo GR33nH4T, maior comentarista das postagens desse modesto Blog, colocou a venda sua coleção completa (com 10 CD) do Rock N Roll Project.


Além dos dez CD originais da coleção, o pacote traz três CD da coletãnea Monsters Of Rock, além de um belo poster "fan made"da mesma compilação. Oportunidade única!

O produto está anunciado no Mercado Livre, o que facilita as formas de pagamento. Para visualizar o anúncio, clique AQUI.


Aproveito para desejar um excelente 2019 a todos os leitores e seguidores do Blog.


26 de dezembro de 2018

FAKE NEWS DO ROCK: KISS, PINTINHOS E FEZES

O ano de 2018 consolidou o termo Fake News na mídia oficial e nas redes sociais do Brasil. As chamadas "notícias falsas" chamaram a atenção durante o período de eleições presidenciais e foram tratadas como uma espécie de "epidemia virtual". Publicações sobre candidatos, sem fonte oficial, eram compartilhadas invariavelmente nas redes sociais mais usadas (WhatsApp e Facebook). Inúmeras foram as discussões sobre tal fenômeno.

Mas o que isso tem a ver com o Rock?

Se você acha que apenas o cenário político sofreu com isso, posso lhe afirmar que o Rock, décadas antes, também foi vítima das notícias falsas no Brasil. Abaixo, um dos maiores boatos da música que transformou-se em Fake News: a passagem do KISS pelo Brasil em 1983.

O KISS "chocou" tanto que, em meio a sua passagem pelo Brasil, surgiram "pintinhos".
Quem nunca ouviu falar do boato de que o KISS "esmagava pintinhos" no palco durante seus shows? Pois é, esse papo surgiu à época da primeira passagem da banda pelo Brasil, em 1983. Ainda hoje, é fácil encontrar alguém com mais de 30 anos que já tenha ouvido falar nessa história. Aliás, alguns poderão jurar que ela é verdadeira.

E o que era pra ser apenas boato, acabou tornando-se uma das mais bizarras Fake News que rolaram por aqui.

A edição do Jornal O Fluminense de 18 de junho de 1983, publicou em uma de suas páginas a matéria "Polícia exige show de KISS sem animais". 

O jornal imputou duas características "singulares" ao grupo
A publicação, abordando aquela passagem do KISS pelo Brasil, trouxe o seguinte conteúdo (os grifos no texto abaixo são meus): 

"Os promotores do show do conjunto Kiss cumpriram, ao final da tarde de ontem, as exigências determinadas pela Divisão de Controle e Fiscalização de Diversões Públicas, da Secretaria de Policia Judiciária, e ouviram do Diretor, Delegado Délio Capitelli, normas de orientação para que o show vá até o final, como programado: não poderão pisotear e matar pequenos animais ou comerem fezes, características do conjunto".

A "matéria" segue:

"Os encarregados da fiscalização foram orientados para impedir o massacre de animais - pintinhos, em sua maioria, que são pisoteados e esmagados durante o desenrolar do show - e comam as próprias fezes".

E pra provar que entidades de classe e notas de repúdio não são clichês do século XXI, o último parágrafo do texto registra:

"Em nota conjunta, a Cooperativa dos Vegetarianos, Editora germinal, Grupo Lotus, Liga de Defesa dos Animais, Ordem Teosófica de Serviço e Aurora Espiritual afirmaram que em função do noticiário que tem acompanhado a excursão do grupo de rock Kiss ao Brasil e a pretexto de sensacionalismo e promoção, os integrantes anunciam a realização de sacrifícios de animais em pleno palco. A nota afirma que mesmo se tratando de mera ameaça, não deixa de chocar a idéia que atos de crueldade sejam levianamente utilizados pelo conjunto musical para levar à platéia uma dose maior de emoções fortes. E sugere o boicote do público ao espetáculo e a outros eventos que pregam a violência, o incentivo a práticas anti-ecológicas e exploração do sofrimento".

Fim da matéria. O boato dos pintinhos acabava de tornar-se Fake News. 


Eu não sei que é mais absurdo nessa publicação: a falsa notícia sobre esmagar pintinhos, a falsa notícia sobre os integrantes do KISS comerem fezes ou saber que alguém criou uma cooperativa de vegetarianos...(risos).

Tá certo que o baixista GENE SIMMONS baba sangue nos palcos e fala umas merdas fora deles. Mas publicar num jornal que o cara come bosta é muita sacanagem.


Em tempo: uma ex-colega de trabalho chamada Cássia, ao me ouvir falando certa vez sobre o KISS, me interrompeu dizendo: "O KISS é aquela banda que arrancava cabeça de pintinhos no palco né???". Sabendo que alguém havia confundido a história de "esmagar pintinhos" do KISS com o fato de o vocalista OZZY OSBOURNE (BLACK SABBATH) ter arrancado a cabeça de um morcego com os dentes em uma apresentação, disparei: "Deve ser mais fácil do que pisar em morcegos". O riso dos roqueiros foi geral.


24 de dezembro de 2018

TOP 10: ROCK PARA O NATAL (7)

Que tal esquecer a azia com as passas e aquele tio bêbado que você vai encarar neste final de ano e ouvir umas faixas com temas natalinos, executados por grandes ícones do Rock?

É só aumentar o volume, dar o play nos videos abaixo e curtir a sétima seleção anual do Blog com roquinhos inspirados no natal.

Relembre os TOP 10 anteriores AQUI, AQUI, AQUI, AQUI, AQUI e AQUI.

Seguem a versão 2018 dos dez temas escolhidos.













E um Feliz Natal a todos!


8 de novembro de 2018

ROCK DE LUTO: HUGH MCDOWELL

Faleceu no último dia 07 o violoncelista britânico HUGH MCDOWELL. Ele tinha 65 anos e lutava contra um câncer.


MCDOWELL foi o famoso violoncelista da ELECTRIC LIGHT ORCHESTRA. Ele ficou caracterizado por se apresentar com um belo e imponente violoncelo branco. HUGH participou do primeiro álbum da ELO em 1972 e ficou aproximadamente um ano no grupo. Pouco tempo depois ele saiu junto com ROY WOOD para fazer parte da banda WIZZARD. Lá, participou do disco Wizzard Brew de 1973 e recebeu os créditos na faixa "Bend Over Beethoven".

Logo em seguida, o violoncelista retornou à ELO e participou dos discos Eldorado (1974), Face The Music (1975), A New World Record (1976) e Out Of The Blue (1977). Ele apareceu no vídeo promocional do álbum Discovery de 1979, mas não participou das gravações. 


Além da ELO, ele participou de outros projetos e faixas, como nas músicas "High Flyers" da banda GLIDER em 1977 e  "My Mother Said" da banda RADIO STARS em 1982. No início dos anos 1990 ele também tocou na ELO PART II, uma formação encabeçada pelo baterista BEV BEVAN numa tentativa de retomar a banda. 

Nesse mesmo período, ele participou da ORKESTRA, projeto que contou com o violinista MIK KAMINSKI, ex-companheiro de ELO e, apesar de basicamente executar canções da antiga banda, lançou dois discos de faixas próprias!

Nos anos 2000, participou de um projeto chamado ICON encabeçado pelo também saudoso JOHN WETTON (o eterno baixista e vocalista do ASIA).

Abaixo, quatro faixas com a participação do considerado por muitos "o JIMI HENDRIX do violoncelo".






Descanse em paz, HUGH.


3 de novembro de 2018

MUITO ROCK E BENEFICÊNCIA EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS

Meu grande amigo Luís avisou que teremos no próximo sábado (10) um evento beneficente em São José dos Pinhais, município pelo qual tenho muito respeito e carinho. Será a 4ª Thunderssauro & Friends.


A reunião promete exposição de carros antigos e muito Rock, com previsão de sonorização em aparelhagem clássica (incluindo fitas K-7 e discos de vinil!). Apresentações ao vivo ainda podem ser acrescidas a programação.

O cartaz informa o preço de R$ 5,00 + 1 kg de alimento não perecível. 

Prestigiem!


1 de novembro de 2018

MAIOR FEIRA DE DISCOS DE CURITIBA TERÁ SUA PRÓXIMA EDIÇÃO EM DEZEMBRO

A Feira Nacional Curitiba Vinil consolidou-se de maneira extremamente rápida como a melhor feira de discos de Curitiba e uma das principais feiras do gênero no Brasil.


Já tendo sua sexta edição agendada para o dia 08 de dezembro/2018, o evento da Curitiba Vinil (capitaneada por Ronald Gel) retomou as grandes feiras de outrora na capital paranaense.

A Feira Nacional alcançou rápido sucesso de público por buscar a excelência nos seguintes aspectos:

Seleção adequada de expositores/vendedores, oriundos de vários estados do Brasil (PR, SP, SC...), sem oligarquias, trazendo desde pequenos colecionadores a grandes lojistas, proporcionando enorme diversidade de material ao público.

Espaço adequado, em localização ímpar, com alimentação e sanitários, sempre com entrada gratuita e privilegiando quaisquer formas de locomoção (bicicleta, ônibus, carro, taxi...).

Ótimo mix de itens a venda, sem restringir ao vinil ou fugir do tema, atraindo todos os interessados por cultura musical e afins (milhares de LPs e compactos nacionais e importados, centenas de CDs raros, decoração temática, acessórios, camisetas de qualidade...).

Atrações e promoções diferenciadas, como discotecagem profissional, fotografia profissional para redes sociais, sorteio de discos de vinil e chopp gelado.

Tudo para proporcionar aos colecionadores e consumidores musicais o melhor da singularidade de uma feira de discos, incomparavelmente a melhor maneira de se comprar LPs e afins, permitindo a conferência do real estado do produto, a negociação de preços e a retirada imediata, sem prazos, taxas ou riscos de danos.

Isso sem falar na expertise dos expositores, que somam dezenas de grandes feiras em seus currículos, permitindo aos interessados um aprendizado único sobre bandas, álbuns, músicas, lançamentos, edições, equipamentos de som... (Acreditem, nem tudo pode ser encontrado no Google ou no YouTube).

O recado está dado.

A edição de dezembro será a última grande feira de discos em 2018 no Paraná.

Garanta o seu natal ;)


Serviço:
VI Feira Nacional Curitiba Vinil
Data: 08 de Dezembro de 2018 (Sábado)
Local: A Travessa  - Rua 13 de Maio, 439, Centro (ao lado da Praça Tiradentes)
Horário: das 09 às 18 horas
Página Oficial: link
Entrada Gratuita

Save Your Money For a Vinyl Fair Day!


2 de outubro de 2018

GOVERNO DA AUSTRÁLIA LANÇA MOEDAS EM COMEMORAÇÃO AOS 45 ANOS DO AC/DC

A Casa da Moeda da Austrália (Royal Australia Mint) definitivamente é do Rock. Em comemoração aos 45 anos da banda AC/DC, a entidade divulgou que lançará uma nova coleção de moedas. Tratam-se de duas tiragens de moedas colecionáveis: uma de 10.000 moedas de 5 dólares australianos e outra de 30.000 moedas de 50 centavos, sendo que 10 destas passarão por um processo singular.


Numa parceria entre a citada Casa da Moeda e o Centro Nacional da Ciência e Tecnologia da Questacon, essas 10 moedas em questão serão atingidas por um raio de 3.500.000 volts originado a partir de uma bobina de Tesla, talvez numa brincadeira com o título da faixa "Thunderstruck" que pode ser traduzido livremente como "atingido por um raio". 

As dez moedas serão encaminhadas aleatoriamente a dez sortudos compradores da moeda de 50 centavos. Obviamente, o produto já está indisponível no site da entidade.

Já as 10.000 moedas de "cincão", embora não tenham recebido o "choquinho" em questão, têm o formato de palheta e acabamento especial. A embalagem é no formato de um amplificador e traz um palheta real junto com a moeda. Esse modelo ainda está disponível para compra no site da entidade.

Abaixo, imagens das moedas comemorativas.



26 de setembro de 2018

RELANÇAMENTO DE DISCOS SOLOS DO KISS EM BOX ESGOTA IMEDIATAMENTE NO SITE OFICIAL

O novo lançamento vinílico do KISS não chegou a amornar no estoque. Trata-se de uma caixa comemorativa de 40 anos dos discos solos dos integrantes da banda, lançados originalmente em 1978. Mal foi anunciada, com lançamento previsto para o dia 15 de outubro, simplesmente esgotou-se.  


A box, contendo os quatro álbuns em vinil colorido, além de posteres, camiseta, porta copos, broches e flanela para toca-discos, estava disponível exclusivamente no site oficial da banda. O preço  - sem correios - era de US$ 299,95 (ou R$ 1.220). 

Um prato cheio para colecionadores em geral.


By the way...

COMO CADA INTEGRANTE DO KISS LANÇOU SEU PRÓPRIO ÁLBUM DENTRO DA DISCOGRAFIA DA BANDA, SE OS DISCOS SÃO SOLO?

Explico: Depois da explosão musical do álbum duplo Alive! em 1975 (o melhor disco ao vivo de todos os tempos segundo a Billboard) e da consagração sonora com o sensacional Destroyer em 1976, o KISS tornou-se um frenesi entre os adolescentes norte-americanos. A consequência disso foi uma quantidade incontável de produto criados e licenciados com a imagem e nome da banda. De goma de mascar a máquina de Pinball. 

Isso sem falar em um filme chamado KISS Meets The Phantom Of The Park, que, segundo o guitarrista PAUL STANLEY. foi algo como "Star Wars encontra A Hard Days Night" (risos).

Aliás, tal filme foi exibido na Sessão da Tarde aqui no Brasil na década seguinte (veja um trecho logo abaixo).

Naturalmente, os integrantes da banda (em especial o baixista GENE SIMMONS) aproveitaram aquele período pra faturar como nunca. Mas tal exposição trouxe, além dos milhões de dólares, muito, mas muito desgaste pessoal.

Em 1978, além da rotina e da pressão sobre o quarteto, os excessos do baterista PETER CRISS (digamos, pelo seu "faro") e do guitarrista ACE FREHLEY (que nunca estava de goela seca) fizeram com que os dois resolvessem deixar a banda em busca de carreiras e discos solo. Seria o fim da formação original. 



GENE e PAUL não queriam isso. Foi então que os dois "gestores" da banda, no desespero de não quebrar a "magia" da formação original e de não emperrar a máquina de fazer dinheiro que a banda havia se tornado, toparam lançar quatro discos solo - um de cada integrante - sem desmanchar a banda. Tal fato é único na música até hoje.

Assim, GENE e PAUL conseguiram frear temporariamente o ímpeto rebelde de PETER e ACE. E cada um teve seu álbum lançado dentro do próprio KISS, cada qual com sua personalidade musical.

Posteriormente, em 1980, PETER CRISS deixou oficialmente a banda, embora tenha "aparecido" na capa do álbum Unmasked, lançado naquele mesmo ano. Ele foi substituído pelo saudoso ERIC CARR. 

Já ACE FREHLEY perdurou até 1982, embora tenha aparecido na capa do álbum Creatures Of The Night, lançado naquele mesmo ano. Ele foi substituído por VINNIE VINCENT.


Abaixo, meus breves comentários e faixas de cada álbum:

PAUL STANLEY - Todo o glamour da banda
Muitos dizem que esse foi o álbum solo mais "kiss" de todos. Repleto de faixas românticas, não traz nenhum "roquinho", mas tem faixas rápidas que pegam na veia de quem curte um Hard mais melódico ou um AOR


Esse vinil, mais o de GENE, eu comprei na extinta Eletrônica Westphalen, próxima a Avenida Sete de Setembro. Bons tempos.


GENE SIMMONS - tem até tema da Disney
Não tem como explicar" o disco solo do baixista do KISS. Lembro de, ao conseguir finalmente comprar o LP solo do linguarudo, chegar em casa para colocá-lo no toca-discos esperando algo "do mal". A introdução da primeira faixa - lembrando um filme de terror - parecia levar-me a algo denso como a conhecida faixa "God Of Thunder". Mas o que vem depois não traduz em momento algum sua personalidade demoníaca.


Um vez, GENE relatou que tinha a intenção de reunir os quatro integrantes dos BEATLES em seu disco solo, convidando-os a participar das faixas. Assim, haveria um disco com RINGO STARR, PAUL McCARTNEY, JOHN LENNON e GEORGE HARRISON que não seria necessariamente um álbum dos BEATLES. Segundo o baixista, apenas RINGO não aceitou. Difícil de acreditar nessa história, mas fica o registro...


ACE FREHLEY - o disco mais Rock
Não tinha como ser diferente: o integrante mais roqueiro da história do KISS fez o disco mais legal de todos. Mais rápido, cheio de solos incríveis, pra fazer arder e explodir as caixas de som. 


Lembro de ter comprado o meu LP do ACE na antiga Raridade Som, loja do Seu Clésius que ficava no fim da Rua Visconde do Rio Branco. Era um sábado, e gastei a agulha do toca-discos naquele dia.


PETER CRISS - melhor que o de GENE
Muitos não concordarão, mas PETER fez um álbum muito menos específico e, portanto, mais digerível que o do baixista. Composto de faixas mais easy, bons "roquinhos" e algum "Rock Lento". agrada mais os maiores de 40 anos. 


Lembro que comprei esse disco lá por 1992 em uma loja que existia no Shopping Sete. Dois colegas do ginásio que queriam ser bateristas, fãs de IRON MAIDEN e que não gostavam de KISS, foram lá em casa pra ouvir o LP achando que tratava se de um disco contendo exclusivamente solos de bateria (risos).


12 de setembro de 2018

REVIEW: 5ª FEIRA NACIONAL CURITIBA VINIL - 08/09/2018

A edição mais recente da Feira Nacional Curitiba Vinil rolou no último sábado (08/09) e comprovou o sucesso do evento vinílico capitaneado por Ronald, da Confraria do Vinil.

A realização da feira em um feriado intenso, com tempo bom durante o dia todo, fez com que a presença do público fosse ainda maior. Além das “figurinhas” presentes em toda e qualquer feira de discos, várias pessoas voltaram a marcar presença nesta feira. E muitas a fizeram pela primeira vez. Foi satisfatório ver tanta gente durante todo o evento.


Como muitos sabem, eu havia comunicado que não participaria mais de feiras de vinil como expositor. Além de não ser lojista e não poder renovar meu material como desejado, meus compromissos particulares e as dificuldades da vida monopolizaram minha cabeça e meu tempo. Contudo, as circunstâncias favoreceram minha presença na feira.

Sem meu “sócio de mesa” Bob Discotecário, que certamente estará na próxima edição do evento, levei quase todo o material que eu tinha disponível em vinil, incluindo uma coleção inacreditável de LPs do cantor SHAKIN’ STEVENS que inicialmente não estava a venda, mas da qual também “desapeguei”. Só ficaram de fora os TEN YEARS AFTER e ALVIN LEE que levarei para o túmulo (risos) além de poucos outros.

Cheguei bem mais cedo que o habitual e fiquei aguardando o público “invadir” a feira. Aproveitei para cumprimentar e bater um papo com os amigos vendedores: Ronald, Danilo, Benedito, Nei, Benedito Cesar, Ivo, Rey, Henri, Paulo, Andye, Fausi, meu xará Dennys e sua primeira dama Silvana, além do Reto (Clube do Vinil e Toca Discos de Curitiba e Região).

Fotos: Danilo Christopher / Lúcidos Delírios
Depois foi gastar o gogó, mais do que nunca. Pudera, com tanta gente boa e assuntos musicais... Foi uma grande satisfação bater um papo com colecionadores e visitantes como o sempre presente Lorenzo, o grande Alexandre “AC/DC”, o gente finíssima Luis (da prefeitura de SJP), DJ Marco Dusch, Cartola (sou fã desse cara), Mestre Edson, o avô com filhos e neto que falaram sobre KISS, DEPECHE MODE e U2, dentre outros.

Gostei muito do material disponível na feira. Penso que certos tipos de discos deveriam custar um pouco menos, mas mesmo assim as raridades disponíveis e os descontos dados pelos expositores compensaram o atual custo (e risco) de se comprar pela internet. Além dos bolachões, CDs, DVDs, camisetas, decoração temática, acessórios, brechó feminino e até degustação de bebidas.

Sinceramente minha expectativa de vendas não era alta, até mesmo pela menor quantidade de discos que eu possuo (comparada a de outros vendedores). Mas o sucesso de público também surpreendeu nas negociações. Foi a minha melhor feira, no que tange às vendas.

Um clássico do Golden Earring nas mãos
No final, os expositores puderam tirar uma foto profissional (Danilo Christopher) para registrar suas presenças no evento.

Um sábado especial.

Gostaria de agradecer mais uma vez ao Ronald pela oportunidade de vender em todas as edições da feira até então.