29 de dezembro de 2015

ROCK DE LUTO: LEMMY (MOTORHEAD)

Faleceu hoje (28) aos 70 anos o lendário baixista e cantor inglês IAN KILMISTER, o LEMMY da banda MOTORHEAD. Ele lutava contra um tipo agressivo de câncer. LEMMY será eternamente reconhecido como uma figura singular no mundo do Rock, seja pelo estilo, seja pelo vocal rouco, seja pelas bebidas, drogas e mulheres. Ele foi um soldado a serviço da música.


Sem contabilizar coletâneas e álbuns ao vivo, gravou mais de vinte discos de estúdio com o MOTORHEAD, sendo o último neste ano (Bad Magic). Também esteve a frente de outro grupo lendário nos anos 1970, o HAWKWIND. Além disso, teve vários projetos paralelos e fez dezenas de participações especiais e tributos a outras bandas. 

No MOTORHEAD, além de ter entrado para o Guinness Book como a banda mais barulhenta do mundo (recentemente ele alegava estar praticamente surdo) participou de um documentário chamado Live Fast, Die Old (assista com legendas abaixo).


TOP 10 LEMMY
Abaixo, postarei algumas faixas variadas da carreira desta (já saudosa) lenda.























Descanse em paz, LEMMY.


22 de dezembro de 2015

TOP 10: ROCK AND ROLL PARA O NATAL (4)

Estamos bem perto do Natal, aquele momento em que todos brindam a felicidade e esquecem (ao menos por uma noite) os problemas e responsabilidades. Com espumante ou sidra, com peru de termômetro ou frango assado, com rosca doce ou rabanada, não importa. O que vale é celebrar.

E para sonorizar este momento tão bonito, segue abaixo o quarto TOP 10 de Natal da história deste Blog (os outros vocês podem curtir AQUI, AQUI e AQUI). Ao todo, são 40 motivos para não ligar a TV e ter azia só de ouvir aqueles especiais de fim de ano.


















E um Feliz Natal a todos!!!


16 de dezembro de 2015

OS 30 ANOS DE UM PROJETO "PHENOMENAL"

Um dos mais belos projetos musicais surgidos nos anos 1980 comemorou 30 anos em 2015. É o PHENOMENA, criado no Reino Unido por TOM GALLEY e composto por grandes nomes do Melodic Hard Rock, Heavy Metal e AOR como GLENN HUGHES (DEEP PURPLE), RAY GILLEN (BLACK SABBATH e BADLANDS), JOHN WETTON e MICHAEL STURGIS (ASIA), DON AIREY (WHITESNAKE e RAINBOW), NEIL MURRAY (WHITESNAKE e BLACK SABBATH), COZY POWELL (WHITESNAKE e BLACK SABBATH), JOHN THOMAS (BUDGIE), MEL GALLEY (WHITESNAKE), SCOTT GORHAM (THIN LIZZY) e BRIAN MAY (QUEEN) dentre outros.


Dividirei abaixo a discografia PHENOMENA em duas partes: os três primeiros discos e os outros três trabalhos. Todos são de alto nível e proporcionais ao seu tempo, mas não há como negar que a primeira fase teve um impacto musical infinitamente maior. Fazendo uma analogia, os três primeiros discos seriam livros sagrados a formar a bíblia do Melodic Hard Rock.

O PRIMEIRO DISCO
Em 1985 o projeto estreou com o álbum Phenomena. O som é simplesmente maravilhoso. Predominam GLENN HUGHES nos vocais e COZY POWELL na bateria, com TOM GALLEY nas composições e na produção. O irmão de TOM, MEL GALLEY também aparece na guitarra. Destaco "Dance With The Devil", "Believe" e "Who's Watching You".

O SEGUNDO DISCO
Dois anos depois surgiria o melhor álbum desse projeto e mais incrível do gênero, Phenomena II: Dream Runner. Simplesmente a essência do Melodic Hard Rock. Além da presença dos irmãos GALLEY, os vocalistas GLENN HUGHES, RAY GILLEN e MAX BACON predominam nos vocais. Mas quem precisou cantar apenas uma faixa para coroar esta obra-prima foi JOHN WETTON, também conhecido como "o cara do ASIA". É dele a voz na antológica "Did It All For Love" (ouça-a e compare com a música "Heat Of The Moment"). Aliás, essas duas faixas foram exaustivamente utilizadas em comerciais dos cigarros Hollywood. Aproveitem e confiram um raríssimo playback televisivo dos caras AQUI.

A formação de Phenomena II. O disco tornou-se sinônimo do subgênero (imagens: 45cat.com)

O TERCEIRO DISCO
O álbum seguinte sairia somente em 1993, época em que o cenário musical sofreria mudanças. O line-up não teve o mesmo número de participações especiais, mas não há pecado algum nisso. O guitarrista SCOTT GORHAM, o baterista MICHAEL STURGIS e o baixista/tecladista LEIF JOHANSSON (co-produtor aqui) foram os fiéis remanescentes que participaram de todas as faixas. Quem assumiu os vocais foi KEITH MURRELL. A participação especial ficou por conta de BRIAN MAY. Phenomena III: Inner Vision não deixa NADA a desejar. Destaco "Banzai", "A Whole Lot Of Love" e "Rock My Soul". O disco marcaria o fim da primeira fase do projeto.


Em 1996 foi lançada um excelente coletânea chamada Project X 1985-1996 incluindo as inéditas "Slave" (ouçam AQUI) "Assasins Of The Night" (ouçam AQUI) e "Stealing Heaven" (ouçam AQUI).


OS OUTROS TRÊS DISCOS: UMA NOVA FASE
Nos discos seguintes o projeto não utilizaria o nome PHENOMENA, mas FROM TOM GALLEY THE CREATOR OF PHENOMENA. Esses lançamentos também seriam afetados por um fenômeno que ocorreu naturalmente com muitos projetos de Melodic Hard Rock. Deixariam de ser tão melódicos e tornariam-se mais metálicos.

Treze anos após Innervision, TOM retoma o projeto em 2006 com seu irmão MEL e nomes já conhecidos como GLENN HUGHES e KEITH MURRELL. Assim o PHENOMENA ressurge "metalizado" em Psycho Fantasy, mas com a qualidade de sempre. Ouçam "Touch My Life" (AQUI) "Chemical High" (AQUI) e "60 Seconds" (AQUI). No mesmo ano foi lançado o CD triplo The Complete Works contendo os três primeiros discos e quase dez faixas extras. Ouçam a faixa extra "Forever" (AQUI).


O quinto disco do projeto, Blind Faith, foi lançado em 2010 e traz participações de grandes vocalistas como TONY MARTIN e ROBIN BECK, além de uma nova safra de músicos (alguns nem tão novos como o baixista MAT SINNER). Ouçam "Blind Faith" (AQUI) "Angels Don't Cry" (AQUI) e "Don't Ever Give Your Heart Away" (AQUI).






O último disco do projeto é Awakening, lançado em 2012. Destaque para os nove vocalistas de vários períodos e níveis do Hard Rock que invadiram o álbum, dentre eles JAMES CHRISTIAN (HOUSE OF LORDS) . Ouçam "Smash It Up" (AQUI), "How Long" (AQUI) e "Fighter" (AQUI).






O FUTURO
Vários foram os boatos sobre um possível retorno do PHENOMENA desde então. O último fato relacionado oficialmente à banda foi o cancelamento de uma apresentação do projeto na edição 2014 do Sweden Rock Festival. A formação teria NEIL MURRAY e GLENN HUGHES, além de JOHN NORUM (EUROPE). Seria o primeiro show de toda a história do projeto.

O projeto ganhou uma página na rede mundial. Não se sabe quem a criou e se há relação com TOM GALLEY mas o portal (que reporta apenas a primeira fase) traz postagens bem animadoras. Uma delas seria o relançamento dos álbuns inclusive em vinil. Outra seria a previsão de um novo disco que deveria ter saído ainda em 2015. No próprio website, há um arquivo com ótimos trechos de faixas que estariam no lançamento. Uma faixa chamada "I Want To Go Home" também é creditada ao projeto (ouçam-na AQUI).


As faixas soam excelentes e remetem aos primeiros discos

Enquanto não há novidades, fiquemos no aguardo. Abaixo a discografia:

Phenomena (Bronze, 1984)
Phenomena II: Dream Runner (BMG/RCA, 1987)
Phenomena III: Inner Vision (Castle Communications, 1993)
Project X 1985-1996 (Parachute Music, 1996)
Psycho Fantasy (Escape, 2006)
The Completes Works (Escape, 2006)
Blind Faith (Escape, 2010)
Awakening (Escape, 2012)


14 de dezembro de 2015

ROQUEIRO CURITIBANO DISCOS: SUA NOVA OPÇÃO PARA DISCOS DE VINIL E RARIDADES DA BANDA KISS

Hoje escrevo sobre minha mais nova página na web: apresento a vocês a Roqueiro Curitibano Discos. Trata-se de uma nova opção em oferta de discos de vinil, compactos, maxi-singlespicture discs, itens variados da banda KISS e outros colecionáveis. O nome da página de discos é inspirado neste Blog, onde vos escrevo desde 2009.


São dezenas de raridades do Rock em vinil oriundas de coleção particular criteriosa e disponibilizadas a preços justos. Além de ofertar tais discos eventualmente em feiras de vinil que ocorrem em Curitiba, disponibilizarei os itens através de um novo Blog e de uma fan page.

Se você é colecionador ou apreciador de discos de vinil, fã de KISS e de outros grandes nomes do Rock não deixe de acompanhar minha nova página e de curtir no Facebook.

Acesse o blog: http://roqueirodiscos.blogspot.com
Curta a fan page: http://www.facebook.com/roqueirodiscos


NOVO DISCO DE DAVID BOWIE EM BREVE

No próximo dia 08 será lançado oficialmente o disco Blackstar, mais novo lançamento da lenda inglesa DAVID BOWIE. A data do lançamento é a mesma do 69º aniversário do cantor. Como a maioria dos lançamentos recentes que tenho postado aqui no Blog, este também terá a opção em vinil.

Abaixo, capa, tracklist e faixas divulgadas:


01. Blackstar
02. ’Tis A Pity She Was A Whore
03. Lazarus
04. Sue (Or In A Season Of Crime)
05. Girl Loves Me
06. Dollar Days
07. I Can’t Give Everything Away



Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI.


8 de dezembro de 2015

VINIL DE ACERVO DE RINGO STARR BATE RECORDE MUNDIAL EM LEILÃO

Um recorde mundial foi atingido em um leilão no último sábado (06). O exemplar numerado em 0000001 do álbum The Beatles (o famoso álbum branco) foi arrematado por US$ 790.000,00 (cerca de 3 milhões de reais). A expectativa era que o disco alcançasse o valor de US$ 60.000,00. Passou e tornou-se o disco de vinil mais valorizado da história.


O disco fazia parte da coleção pessoal do beatle RINGO STARR, que doou cerca de 1.300 itens de seu acervo para a Lotus Foundation. A organização pertence ao baterista e promove projetos sociais. Dentre os itens doados por RINGO para leilão também estavam o terno usado no filme A Hard Days Night e um kit de bateria Ludwig usado em mais de 200 apresentações (arrematado por cerca de R$ 8 milhões).

O álbum ficou em um cofre por mais de 35 anos (imagens: julienslive.com)



Conhece o álbum branco dos BEATLES? Ouça-o abaixo:



4 de dezembro de 2015

ROCK DE LUTO: SCOTT WEILAND

Notícia triste que chega nesta manhã: faleceu ontem (03) aos 48 anos o excelente e performático cantor SCOTT WEILAND. Ele foi encontrado morto (estaria dormindo) no ônibus de sua banda THE WILDABOUTS. SCOTT ficou conhecido por suas marcantes presenças frente ao STONE TEMPLE PILOTS (ícone do Rock noventista) e ao supergrupo VELVET REVOLVER.Uma grande perda. 

Imagem: grammy.com
TOP 5 (+1)
Muitas vezes foram noticiados problemas do cantor com as drogas e o álcool. Infelizmente. Mas como a vida é passageira e a música é eterna, postarei abaixo meia dúzia de ótimas faixas que trazem (o já saudoso) SCOTT na linha de frente. Ei-las:







A faixa bônus do meu TOP 5 é para mostrar a versatilidade do cantor. Em 2011 ele gravou o álbum natalino The Most Wonderful Time of the Year. Remete aos clássicos das mais sofisticadas canções.


Descanse em paz, SCOTT.


3 de dezembro de 2015

FEIRA DE VINIL + LIVROS + GENTE FINA + CERVEJA = UMA BAITA OPÇÃO PARA ESTE SÁBADO



A dica é do Mestre Bira. Ele me convidou para levar discos para o evento. INFELIZMENTE não poderei fazê-lo por questões pessoais.

Quem puder, compareça. Para saber como chegar ao Hop´n Roll, clique AQUI.


27 de novembro de 2015

THE DARKNESS RELANÇA ÁLBUM RECENTE COM BÔNUS E FAIXA PARA O NATAL

Em março eu havia postado sobre um novo disco da banda britânica THE DARKNESS previsto para junho. Pois é. Menos de seis meses depois do lançamento eu lhes digo que o mesmo álbum ganhou um relançamento com quatro faixas extras incluindo um tema para o natal (com videoclipe) chamado "I Am Santa".

Mais legal ainda é saber que a própria banda disponibilizou em seu canal no YouTube as quatro bônus para quem quiser curtir. Muito bom. Não leve esses caras muito a sério e a diversão será garantida.

Abaixo, capa, tracklist atualizado e as quatro faixas para audição:


01. Barbarian
02. Open Fire
03. Last of Our Kind
04. Roaring Waters
05. Wheels of the Machine
06. Mighty Wings
07. Mudslide
08. Sarah O'Sarah
09. Hammer & Tongs
10. Conquerors
11. Messenger (faixa bônus)
12. Always Had the Blues (faixa bônus)
13. Million Dollar Strong (faixa bônus)
14. I Am Santa (faixa bônus)








Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI.


25 de novembro de 2015

SHAKIN' STEVENS REGRAVA SUCESSO NATALINO

Uma das mais tradicionais músicas com temática natalina ganhou uma versão novinha em folha. A faixa "Merry Christmas Everyone" foi lançada por SHAKIN' STEVENS em 1985 e tornou-se uma das mais tradicionais músicas de natal lançadas na Europa. Ela é homônima ao disco de músicas natalinas lançado pelo cantor naquele ano. 

Em seu aniversário de 30 anos, a música foi regravada e ganhou o nome de "Echoes Of Merry Christmas Everyone". Um videoclipe da faixa foi oficialmente lançado e mostra o "exército da salvação" ajudando as pessoas. Confiram abaixo a capa do single e o videoclipe da nova versão:



POR ONDE ANDA?

MICHAEL BARRATT (o nome real do cantor) atualmente joga golfe por diversão e, eventualmente, faz aparições na TV. Nos últimos dez anos, além de shows, poucos (porém significativos) fatos movimentaram sua carreira. Em 2006, ele lançou o excelente disco Now Listen. No ano de 2011, uma coletânea em seis volumes avulsos foi disponibilizada pela Sony Music

Faixa-título do disco Now Listen, o último de inéditas de Shaky

Neste ano, ele foi eleito por uma pesquisa da BBC (País de Gales) como a maior voz viva da música. Também fez uma participação no DVD 70th Birthday Celebration de ALBERT LEE, famoso guitarrista britânico que tocou em um de seu primeiros sucessos solo, a faixa "Hot Dog".


18 de novembro de 2015

LOJA DA POLÔNIA PROMOVE NOVO DISCO DA ELO EM DISPLAY GIGANTE

Uma loja de discos da Polônia caprichou na divulgação do novo disco da ELECTRIC LIGHT ORCHESTRA, o álbum Alone In The Universe

A empresa Empik disponibilizou na cidade de Varsóvia um lindíssimo display com aproximadamente 3 metros de altura sustentando a famosa nave espacial símbolo da banda. A ELO Spaceship "projeta" sua logomarca no chão, onde encontram-se os exemplares em vinil e CD do mais novo lançamento da banda de JEFF LYNNE. Confiram as fotos do genial expositor.




Abaixo, o vídeo promocional do novo disco.


Coisas assim aumentam a minha vontade de comprar um disco em 500%.


15 de novembro de 2015

NOVO ÁLBUM DO THE CULT PROGRAMADO PARA FEVEREIRO DE 2016

Os britânicos do THE CULT anunciaram o lançamento de novo disco. O álbum chama-se Hidden City e será disponibilizado em fevereiro de 2016. A pré-venda já está rolando, inclusive com edição em vinil. Este será o décimo álbum de inéditas da banda. O anterior é Choice Of Weapon (2012).

Abaixo, capa, tracklist e faixas novas:


01. Dark Energy
02. No Love Lost
03. Dance The Night
04. In Blood
05. Birds Of Paradise
06. Hinterland
07. G O A T
08. Deeply Ordered Chaos
09. Avalanche Of Light
10. Lilies
11. Heathens
12. Sound and Fury



Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI.


12 de novembro de 2015

ROCK DE LUTO: ANDY WHITE, O "TERCEIRO BATERISTA" DOS BEATLES

Faleceu nesta semana (09) aos 85 anos o músico e baterista escocês ANDY WHITE. Ele foi um dos três bateristas que gravaram faixas para os BEATLES.

Nas sessões de gravação para o disco Please Please Me, em setembro de 1962, o baterista dos BEATLES era PETE BEST. Porém, o batera teria um comportamento diferente de PAUL McCARTNEY, GEORGE HARRISON e JOHN LENNON. Os três acabaram demitindo BEST (uma das versões da história) para a surpresa do produtor GEORGE MARTIN. Foi que então o trio apresentou RINGO STARR. Após ouvir o baterista durante as sessões, MARTIN não teria gostado e o profissional ANDY WHITE foi chamado. RINGO foi colocado para tocar pandeiro enquanto ANDY tocava bateria. Putz. No final, os três bateristas acabaram registrando faixas.

Foto: dailyrecord.co.uk
Segundo o site telegraph.co.uk, a primeira prensagem do compacto "Love Me Do/P.S. I Love You" leva a bateria gravada por RINGO. A versão de WHITE teria sido lançada em coletâneas posteriores. RINGO teria recebido os royalties em lançamentos com a versão de WHITE.

ANDY WHITE também tocou com vários outros músicos, dentre eles BILL HALLEY, CHUCK BERRY e ROD STEWART.

Abaixo, dois vídeos: um com a versão de "Love Me Do" que teria sido gravada com ANDY nas baquetas e outro com trechos das gravações dos três bateristas para a faixa.



Descanse em paz, ANDY.


11 de novembro de 2015

REVIEW: FEIRA DO VINIL NO MEMORIAL DE CURITIBA - 08/11/2015

Um brilho de sol em meio a tantas nuvens chuvosas. Talvez essa seja a maneira mais poética de resumir como foi a feira de discos de vinil realizada das 9 as 15 horas do último domingo (08) no Memorial de Curitiba. O evento fez parte da última edição da Corrente Cultural da capital paranaense.

A escolha de um bom local somada a intenção de aproveitar um público como o da Feirinha do Largo da Ordem fizeram o tempo ruim ficar de lado. Além de expositores tradicionais (de tantas outras feiras) vários particulares disponibilizaram seus acervos pessoais para venda. E eu era um deles.

A experiência de estar "do outro lado da mesa" foi bem interessante. Ela não é totalmente diferente daquela de quem compra os discos. Afinal, muitos vendedores (para não dizer todos) também são colecionadores. Particularmente, vivo um momento diferente na minha vida. Ao mesmo tempo em que sinto um pouco de dó em vender alguns de meus LPs tenho a prazerosa sensação de ver as pessoas comprarem seus desejados bolachões. É provável que eu ainda mantenha alguns vinis junto ao meu aparelho de som modulado.

Tive o prazer de conversar e conhecer outros vendedores extremamente bacanas: o educado Zeco, que colocou preços incríveis em seu material e vendeu horrores; o ligadaço Bira, que me deu dicas bem maneiras; o Marcos (da livraria Joaquim) e o André (Zombilly) que inclusive adquiriram alguns de meus discos. 

Sobre os compradores (infelizmente não me recordo de todos) destaco o conhecido colecionador Will, o gente fina e barbudo Marcelo, o DJ que buscava discos de Flash House do período 1989-1993 e o Rafa Hard (maior fã de Aerosmith do sul do país).

A experiência foi positiva. E a companhia de minha esposa deixou-me ainda mais feliz. Para mim, foi um domingo de sol.


E ATENÇÃO LEITORES E SEGUIDORES DO BLOG QUE COLECIONAM DISCOS DE VINIL: em breve trarei novidades sobre discos que disponibilizarei para venda. Fiquem atentos!


7 de novembro de 2015

NOVO DISCO DAS GIRLSCHOOL SAI NA SEMANA QUE VEM

Na próxima sexta-feira (13) as meninas da banda GIRLSCHOOL disponibilizarão seu mais novo álbum de inéditas, chamado Guilty As Sin. A curiosidade fica por conta de uma versão de "Staying Alive" dos BEE GEES. Aliás, o perfil oficial da banda no Facebook aceitou sugestões de fãs sobre qual sucesso poderia ser regravado. Será o 13º disco desta que eu considero a melhor banda feminina de todos os tempos.

Abaixo, capa, tracklist e lyric video da faixa "Take It Like a Band":


01. Come The Revolution
02. Take It Like A Band
03. Guilty As Sin
04. Treasure
05. Awkward Position
06. Staying Alive (Bee Gees Cover)
07. Perfect Storm
08. Painful
09. Night Before
10. Everybody Loves (Saturday Night)
11. Coming Your Way
12. Tonight


Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI.


30 de outubro de 2015

DEF LEPPARD SOLTANDO MATERIAL NOVO

Os ingleses do DEF LEPPARD estão disponibilizando o novo álbum da banda, chamado simplesmente Def Leppard. É o décimo-primeiro álbum de estúdio dos caras, o primeiro de inéditas desde Songs from the Sparkle Lounge (2008). Quem curte o som deles não vai se decepcionar.

Abaixo, capa, tracklist e faixas disponíveis.


01. Let's Go
02. Dangerous
03. Man Enough
04. We Belong
05. Invincible
06. Sea Of Love
07. Energized
08. All Time High
09. Battle Of My Own
10. Broke 'N' Brokenhearted
11. Forever Young
12. Last Dance
13. Wings Of An Angel
14. Blind Faith
15. We Belong (alternative vocal take) [faixa exclusiva de fanpack]
16. Let’s Go (UK radio edit) [faixa exclusiva de fanpack]



Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI.


28 de outubro de 2015

O "NISSIN MIOJO" DE PAUL McCARTNEY

Em meados dos anos 2000, o eterno beatle PAUL McCARTNEY lançou o belo disco Chaos And Creation In The Backyard (ouça-o AQUI). No mesmo período, gravou um programa de aproximadamente uma hora para uma pequena (e privilegiada) plateia em um dos lendários estúdios do Abbey Road. O especial ficou conhecido como Chaos And Creation At Abbey Road.

Na parte final da apresentação, Sir PAUL precisou de menos de dez minutos para compor uma faixa musical sem fazer qualquer esforço. Com um assistente gravando o áudio, PAUL tocou bateria, piano, baixo, guitarra base e guitarra solo. Com a faixa musical pronta, improvisou uma letra e também brincou com a clássica "Blue Suede Shoes". Brilhante.

Confiram o vídeo com a composição instantânea do Senhor McCARTNEY (certamente melhor do que qualquer música que esteja tocando no rádio neste momento ;)



Abaixo, a apresentação completa do programa:



22 de outubro de 2015

FEIRA DE VINIL NO MEMORIAL DE CURITIBA



ATENÇÃO LEITORES E SEGUIDORES DO BLOG: estarei participando da feira em questão colocando a venda dezenas de discos de vinil de minha modesta coleção. Conto com a presença de vocês.

O evento será simultâneo a realização da tradicional Feirinha do Largo da Ordem. O Memorial fica junto da Feirinha. Para saber como chegar ao Memorial de Curitiba, clique AQUI.


SUPER COLETANEA DO STATUS QUO VEM AÍ

O STATUS QUO disponibilizará em menos de um mês uma grande coletânea em CD, DVD e VINIL. O CD virá com mais de 50 clássicos, o DVD terá mais de 60 videoclipes (incluindo 24 videos nunca divulgados antes) e o LP terá 25 faixas. A pré-venda já está disponível.

Abaixo, capa e tracklist:


CD

CD1
01. Pictures of Matchstick Men
02. Ice In The Sun
03. Down The Dustpipe
04. In My Chair
05. Mean Girl
06. Gerdunula
07. Don’t Waste My Time
08. Big Fat Mama
09. Paper Plane
10. Claudie
11. Caroline
12. Softer Ride
13. Forty-Five Hundred Times
14. Break The Rules
15. Little Lady
16. Down Down
17. Roll Over Lay Down [Live]

CD2
01. Rain
02. Mystery Song
03. Wild Side Of Life
04. Rockin’ All Over The World
05. Dirty Water
06. Hold You Back
07. Again and Again
08. Whatever You Want
09. Living On An Island
10. What You’re Proposing
11. Rock ’N’ Roll
12. Something ‘Bout You Baby I Like
13. Marguerita Time
14. The Wanderer
15. Red Sky
16. Burning Bridges (On and Off and On Again)
17. The Anniversary Waltz (Part 1)
18. The Way It Goes

CD3
01. Jam Side Down
02. Blues and Rhythm
03. Old Time Rock and Roll
04. The Party Ain’t Over Yet
05. Beginning of the End
05. Two Way Traffic
06. Rock ’N’ Roll ’N’ You
07. In The Army Now – Single 2010
08. Looking Out For Caroline
09. GoGoGo
10. Bula Bula Quo (Kua Ni Lega)
11. Backwater (Live in Dublin 2014)
12. Just Take Me (Live in Dublin 2014)
13. Is There A Better Way (Live in Hammersmith 2013)
14. Blue Eyed Lady (Live in Glasgow 2013)
15. And It’s Better Now
16. Don’t Drive My Car
17. Rock ’til You Drop
18. Pictures Of Matchstick Men


DVD (*** = Never Before Available)

DVD1
Pictures of Matchstick Men - Promo Videos 1960's - 70's
Down The Dustpipe - Promo Videos 1960's - 70's
Paper Plane - Promo Videos 1960's - 70's
Caroline - Promo Videos 1960's - 70's
Down Down - Promo Videos 1960's - 70's
Roll Over Lay Down – Live EP version - Promo Videos 1960's - 70's
Rain - Promo Videos 1960's - 70's
Mystery Song - Promo Videos 1960's - 70's
Wild Side of Life - Promo Videos 1960's - 70's
Rockin’ All Over The World - Promo Videos 1960's - 70's
Again and Again - Promo Videos 1960's - 70's
Let Me Fly - Promo Videos 1960's - 70's
Someone Show Me Home - Promo Videos 1960's - 70's ***
Accident Prone - Promo Videos 1960's - 70's ***
Whatever You Want - Promo Videos 1960's - 70's
Living On An Island - Promo Videos 1960's - 70's
Runaway - Promo Videos 1960's - 70's
Who Asked You? - Promo Videos 1960's - 70's ***
What You’re Proposin’ - Promo Videos 1980’s
Lies - Promo Videos 1980’s
Don’t Drive My Car - Promo Videos 1980’s
Something ’bout You Baby I Like - Promo Videos 1980’s
Rock ’n’ Roll - Promo Videos 1980’s
Dear John - Promo Videos 1980’s
Ol’ Rag Blues - Promo Videos 1980’s
A Mess Of Blues - Promo Videos 1980’s
Marguerita Time - Promo Videos 1980’s
Going Down Town Tonight - Promo Videos 1980’s
The Wanderer - Promo Videos 1980’s
Rollin’ Home - Promo Videos 1980’s
In The Army Now - Promo Videos 1980’s
Dreamin’ - Promo Videos 1980’s
Ain’t Complaining - Promo Videos 1980’s
Who Gets The Love - Promo Videos 1980’s
Running All Over The World - Promo Videos 1980’s
Burning Bridges - Promo Videos 1980’s
Not At All - Promo Videos 1980’s
Little Dreamer - Promo Videos 1980’s
The Anniversary Waltz Pt.1 - Promo Videos 1990’s
The Anniversary Waltz Pt.2 - Promo Videos 1990’s
Can’t Give You More - Promo Videos 1990’s
Rock ‘til You Drop - Promo Videos 1990’s ***
Roadhouse Medley - Promo Videos 1990’s ***
I Didn’t Mean It - Promo Videos 1990’s
Sherri Don’t Fail Me Now - Promo Videos 1990’s
Restless - Promo Videos 1990’s
When You Walk In The Room - Promo Videos 1990’s
Fun Fun Fun - Promo Videos 1990’s
Don’t Stop - Promo Videos 1990’s
All Around My Hat - Promo Videos 1990’s
The Way It Goes - Promo Videos 1990’s

DVD2
Mony Mony - Promo Videos 2000 – 2013
Old Time Rock ’n’ Roll - Promo Videos 2000 – 2013
Jam Side Down - Promo Videos 2000 – 2013
All Stand Up - Promo Videos 2000 – 2013
You’ll Come ‘Round - Promo Videos 2000 – 2013
Beginning Of The End - Promo Videos 2000 – 2013
It’s Christmas Time - Promo Videos 2000 – 2013 ***
In The Army Now 2010 - Promo Videos 2000 – 2013
Rock ’n’ Roll ’n’ You - Promo Videos 2000 – 2013 ***
Two Way Traffic - Promo Videos 2000 – 2013 ***
Let’s Rock - Promo Videos 2000 – 2013
Bula Quo - Promo Videos 2000 – 2013
Looking Out For Caroline - Promo Videos 2000 – 2013
GoGoGo - Promo Videos 2000 – 2013

Bônus:
Is It Really Me / Gotta Go Home - Beat Club Session 1970 ***
Paper Plane - Live At Wembley 1996 ***
Softer Ride - Live At Wembley 1996 ***
The Wanderer - Live At Wembley 1996 ***
Backwater - Live At Wembley 1996 ***
Gerundula - Live At Wembley 1996 ***
Something ‘bout You Baby I Like - Live At Wembley 1996 ***
Don’t Waste My Time - Live At Wembley 1996
All Around My Hat - Live At Wembley 1996 ***
Caroline - Live At Download 2014 ***
Paper Plane - Live At Download 2014 ***
Big Fat Mama - Live At Download 2014 ***
Roll Over Lay Down - Live At Download 2014 ***
Down Down - Live At Download 2014 ***
Whatever You Want - Live At Download 2014 ***
Rockin’ All Over The World - Live At Download 2014 ***


VINIL

LP1
01. Pictures Of Matchstick Men
02. Ice In The Sun
03. Down The Dustpipe
04. In My Chair
05. Paper Plane
06. Caroline
07. Break The Rules
08. Little Lady
09. Down Down
10. Roll Over Lay Down
11. Rain
12. Rockin' All Over The World
13. Hold You Back

LP2
01. Whatever You Want
02. Living On An Island
03. Marguerita Time
04. The Wanderer
05. Burning Bridges (On And Off And On Again)
06. Blues And Rhythm
07. Beginning Of The End
08. Two Way Traffic
09. Looking Out For Caroline
10. Blue-Eyed Lady
11. And It's Better Now
12. Pictures Of Matchstick Men


Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI para CD, AQUI para DVD e AQUI para VINIL.

11 de outubro de 2015

DE VOLTA PARA O FUTURO: 30 ANOS COMEMORADOS COM TRILHA SONORA EM PICTURE DISC

Um dos filmes mais icônicos da história do cinema está comemorando 30 anos. A divertidíssima trilogia De Volta Para O Futuro fez aniversário em 2015 e ganhou vários eventos e produtos lançados, além da reunião de seus principais atores.

E um dos principais itens é o vinil Picture Disc da marcante trilha sonora da película (incluindo a oitentista "Power Of Love" da banda HUEY LEWIS AND THE NEWS. Abaixo, imagem e tracklist.


01. The Power of Love [Huey Lewis and the News]
02. Time Bomb Town [Lindsey Buckingham]
03. Back to the Future [Alan Silvestri and the Outatime Orchestra]
04. Heaven is One Step Away [Eric Clapton]
05. Back in Time [Huey Lewis and the News]
06. Back to the Future Overture [Alan Silvestri and the Outatime Orchestra]
07. The Wallflower (Dance With Me Henry) [Etta James]
08. Night Train [Marvin Berry and the Starlighters]
09. Earth Angel (Will You Be Mine) [Marvin Berry and the Starlighters]
10. Johnny B. Goode [Marty McFly with the Starlighters]



Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI. Para conferir outros produtos comemorativos da série, clique AQUI.


7 de outubro de 2015

SAXON LANÇA NOVO DISCO

Estará disponível no próximo dia 16 o mais novo disco da banda inglesa de metal SAXON. O álbum chama-se Battering Ram e terá várias versões, inclusive em vinil. Os caras já lançaram cerca de 30 discos na carreira incluindo coletâneas.

Abaixo, capa , tracklist e a nova faixa-título.


CD
01. Battering Ram
02. The Devil's Footprint
03. Queen Of Hearts
04. Destroyer
05. Hard and Fast
06. Eye of The Storm
07. Stand Your Ground
08. Top Of The World
09. To The End
10. Kingdom Of The Cross
11. Three Sheets To The Wind (The Drinking Song)

CD Bônus
01. Intro & Hammer Of The Gods (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
02. Heavy Metal Thunder (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
03. Motorcycle Man (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
04. Back in '79 (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
05. Never Surrender (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
06. Fire in the Sky (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
07. Midnight Rider (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
08. And The Bands Played On (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
09. The Eagle Has Landed (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
10. Play It Loud (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
11. Rough and Ready (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
12. Out Of Control (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
13. Denim And Leather (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
14. Princess Of The Night (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
15. 747 (Strangers In The Night) [Saxon Over Sweden 2011] [Live]
16. Crusader (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
17. Strong Arm Of The Law (Saxon Over Sweden 2011) [Live]
18. Wheels Of Steel (Saxon Over Sweden 2011) [Live]



Para comprar o seu exemplar, clique AQUI.


26 de setembro de 2015

JEFF LYNNE RETOMA A ELECTRIC LIGHT ORCHESTRA EM NOVO DISCO

Após  o sucesso de sua apresentação no Hyde Park para mais de 50.000 pessoas - o show virou DVD oficial - o genial JEFF LYNNE volta a lançar um disco pela ELO (ELECTRIC LIGHT ORCHESTRA). Respeitando algumas questões, o grupo aparece na capa como JEFF LYNNE'S ELO. O disco chama-se Alone In The Universe e tem lançamento previsto para 13 de novembro.

Abaixo, capa, tracklist e primeira faixa disponível para audição.


01. When I Was A Boy
02. Love & Rain
03. Dirty To The Bone
04, When The Night Comes
05. The Sun Will Shine On You
06. Ain’t It A Drag
07. All My Life
08. I’m Leaving You
09. One Step At A Time
10. Alone In The Universe
11. Fault Line (Deluxe Exclusive Bonus Track)
12. Blue (Deluxe Exclusive Bonus Track)


Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI.


19 de setembro de 2015

MUNGO JERRY CELEBRA 45 ANOS DE CLÁSSICO COM SINGLE EM VINIL

O guitarrista, cantor, compositor, figuraça e quase setentão RAY DORSET está comemorando o aniversário de seu maior sucesso comercial com um lançamento em vinil. Depois de ler esta frase você deve estar me perguntando: "Mas quem diabos é esse tal de RAY?" E eu respondo: "É o famoso músico britânico MUNGO JERRY" (embora este seja originalmente o nome da banda). MUNGO está celebrando os 45 anos de seu maior sucesso comercial, a mundialmente conhecida "In The Summertime".

Segundo o site oficial do músico (e, portanto, da banda) o single vendeu mais de 6 milhões de cópias nos primeiros seis meses de lançamento, podendo ter alcançado 30 milhões desde então. A página também informa que esta foi eleita a canção de verão mais tocada em todos os tempos. 

No vídeo abaixo, o próprio RAY (ele tem canal próprio no YouTube) apresenta e bota pra rodar o maxi-single comemorativo. Aliás, por falar em vinil, o músico tem vários compactos pra vender em seu sítio oficial.

Além de "In The Summertime" (versão Touch In The Sky) o compacto traz outras três faixas: "You Don't have To Be In The Army To Fight In The War (versão 21st Century) e as inéditas "Happy Happy Birthday" (a faixa que ele mostra no vídeo acima) e "It Don't Matter".

Mazá Mungo véio... taca-lhe pau (Foto: facebook.com)
O vinil estará disponível somente a partir de 25 de setembro. Para adquirir o seu exemplar, clique AQUI.


6 de setembro de 2015

THE SWEET: LANÇAMENTO TERÁ DEZENAS DE VIDEOS E NOVAS GRAVAÇÕES

No próximo dia 18 será lançada o que podemos chamar de coleção definitiva - embora eu não dispense uma música sequer desses caras - da lendária banda THE SWEET. O material chama-se Action! The Ultimate Sweet Story e sairá em DVD triplo e CD duplo. A pré-venda já está rolando.

São cerca de 70 videoclipes entre promos e aparições de TV incluindo material nunca visto, um trecho de documentário e mais dois shows (1986 e 1991). Já o material em áudio reúne 39 faixas com clássicos originais e gravações feitas pela atual formação da banda. Para ouvir trechos de todas as músicas disponíveis, clique AQUI.

Abaixo, as capas do novo material.







Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI.


28 de agosto de 2015

KEITH RICHARDS LANÇA DISCO SOLO

KEITH RICHARDS, o inconfundível guitarrista dos ROLLING STONES, lançará em três semanas o quinto disco de sua carreira solo. Ele se chamará Crosseyed Heart e estará disponível a partir de 18 de setembro.

Abaixo, capa, tracklist e faixa single:


01. Crosseyed Heart
02. Heartstopper
03. Amnesia
04. Robbed Blind
05. Trouble
06. Love Overdue
07. Nothing On Me
08. Suspicious
09. Blues In The Morning
10. Something For Nothing
11. Illusion
12. Just A Gift
13. Goodnight Irene
14. Substantial Damage
15. Lover's Plea



Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI.


NOVO DISCO DE DAVID GILMOUR SAI EM TRÊS SEMANAS

DAVID GILMOUR, o eterno guitarrista do PINK FLOYD, disponibilizará seu mais novo álbum solo no próximo dia 18 de setembro. O mesmo terá o nome de Rattle That Lock e terá onze faixas.

Abaixo, capa, tracklist e faixa single:



01. 5 A.M.
02. Rattle That Lock
03. Faces Of Stone
04. A Boat Lies Waiting
05. Dancing Right In Front Of Me
06. In Any Tongue
07. Beauty
08. The Girl In The Yellow Dress
09. Today
10. And Then...



Para encomendar o seu exemplar, clique AQUI.


29 de julho de 2015

SLADE DISPONIBILIZA CAIXA LIMITADÍSSIMA

Um dos maiores nomes da história do Rock britânico disponibilizará em breve um super relançamento envolvendo material em vinil. 

Chamada When Slade Rocked The World 1971-1975 a Box Set do SLADE traz quatro discos (Slade Alive!, Slayed?, Old New Borrowed And Blue e a trilha Slade In Flame) em versões coloridas e remasterizadas de 180 gramas, quatro compactos com capas especiais (sleeves diferentes na frente e no verso), um flexidisc, um CD duplo com as 40 faixas dos quatro LPs, um livro com imagens e textos, uma reprodução do livro The Slade Story lançado em 1975, oito Lobby Cards e uma caixa super resistente para embalar todo o material.

Apenas 1000 unidades estarão disponíveis em todo o planeta. A boa notícia é que o Brasil está na rota de entrega para os interessados. O preço médio (em reais) calculado pelo site que oferece a pré-venda do material é de R$ 631,00 (incluindo o frete).

Para encomendar a sua caixa do SLADE, clique AQUI. Abaixo, imagens promocionais do material.




11 de julho de 2015

RUSS BALLARD: GÊNIO DA MÚSICA ESTÁ DE DISCO NOVO

Muitos estranham ao ouvir esse nome, mas ele é muito mais presente no mundo musical do que vocês possam imaginar. RUSS BALLARD é um músico e compositor do Reino Unido, responsável por faixas de grandioso sucesso em todo o planeta. E o "maestro" está disponibilizando neste ano seu mais novo trabalho: It's Good To Be Here.

O disco traz nove faixas, sendo oito inéditas e uma regravação. Abaixo, prévia de capa, tracklist e link para ouvir trechos de todas as músicas.


01. Voices 2014
02. Where Were You
03. Time Machine
04. Kickin The Can
05. Colliding
06. My Awakening
07. Free From Your Hold
08. The First Man That Ever Danced
09. Proud Man

Para ouvir trechos das faixas e obter informações sobre como encomendar o seu exemplar, clique AQUI

E ATENÇÃO PARA O PRIMEIRO TOP FIVE "DUPLO" DO BLOG
Resolvi fazer nesta postagem um TOP10 dividido em dois, sendo cinco faixas para destacar o lado musical e performático de RUSS BALLARD e outras cinco para que vocês (re)conheçam algumas das músicas ele escreveu.

CINCO FAIXAS PARA CONHECER O RUSS BALLARD MÚSICO


ARGENT - Hold Your Head Up. Essa banda tem várias boas faixas. 
O clássico em questão aparece em inúmeras coletâneas gringas.


ARGENT - God Gave Rock And Roll To You. O próprio RUSS reconheceu 
que a versão do KISS é bem melhor. Mas sem ele nada disso teria acontecido.


RUSS BALLARD - Since You've Been Gone. Eu tenho uma queda maior pela versão do 
RAINBOW. Aliás, o GRAHAM BONNET (ex-RAINBOW) também gravou faixas do RUSS.


RUSS BALLARD - Voices. Quem aqui tem mais de trinta e tantos anos vai 
lembrar do tema do seriado televisivo MIAMI VICE (acho que passava no SBT).


ROGER DALTREY - Near To Surrender. Ei, mas este é o DALTREY... 
Peraí, quem é aquele carinha de óculos escuros tocando guitarra??


CINCO FAIXAS PARA CONHECER O RUSS BALLARD COMPOSITOR


HELLO - New York Groove. Ficou mais conhecida no disco solo de 
ACE FREHLEY no KISS. E a versão recente do SWEET é animal!


SANTANA - Winning. Poucos sabem que RUSS está por trás desta faixa,
 até os mais assíduos ouvintes da Rádio Ouro Verde FM.


AMERICA - You Can Do Magic. E por trás dessa, alguém sabia que ele estava???


FRIDA - I Know There's Something Going On. A FRIDA é "froda", saiu do ABBA 
mas seguiu carreira solo. O baterista da gravação em questão é PHILL COLLINS.


KING KOBRA - Dream On. Essa faixa não é linguicinha 
assada mas foi parar bem no meio da farofa. LOL


BBC PAROU DE TOCAR JOURNEY, NEIL YOUNG E THE DOORS. SABEM POR QUÊ?

O Portal UOL traz a matéria em questão: restrição por entidade de direitos autorais deve-se a disponibilização de aplicativo offline da rádio britânica. Confira abaixo:


BBC PROIBE SEUS DJs DE TOCAREM MÚSICAS DE NEIL YOUNG, THE DOORS E OUTROS ARTISTAS

Empresa teria problema para pagar os direitos autorais dos músicos

10/07/2015 - 14:26 - André Zuliani

A BBC proibiu os seus DJs de tocarem músicas de Neil Young, The Doors, Journey e Bonnie Raitt ou quaisquer versões covers de suas faixas. O departamento legal da empresa avisou seus programadores que os artistas não fazem mais parte do Mechanical Copyright Protection Society (MCPS), o que significa que a BBC não teria como pagá-los pela execução das músicas.

No comunicado oficial, a BBC informa que se a música for "editorialmente essencial", os produtores devem contactar o seu editor de comissionamento, que, então, deverá entrar em contato com o departamento de direitos autorais. Mas o recado é para evitar ao máximo esses artistas, pois a empresa "possui uma enorme gama de música".

Um porta-voz da emissora explicou a situação. "A questão surgiu para o rádio agora porque vamos lançar em breve um recurso que permitirá que o público faça o download de programas de rádio e de música para ouvir offline no app BBC iPlayer Rádio. Isso envolve os direitos da MCPS que foram retirados".

Separadamente, um porta-voz da Wixen Music, representante dos artistas, disse ao Music Business Worldwide que um acordo pode ser feito para o uso das músicas. "A BBC pode pode usar Neil Young e The Doors sempre que eles negociarem uma licença com a gente para um determinado programa. Tudo o que estamos dizendo é que nós não vamos pré-aprovar utilizações ou taxas se os clientes não tiveram a oportunidade de rever e aprovar seu uso".


É, cada um tem o ECAD que merece...


5 de julho de 2015

HÁ 25 ANOS: MATÉRIA DESTACAVA A PUREZA DE SOM DO CD

Já postei várias vezes aqui no Blog sobre os discos de vinil. Mas há alguns dias me deparei com essa matéria publicada pela Revista Superinteressante em 1990 sobre os Compact Discs. Achei bacana postar pra refletirmos sobre os prós e contras da bolachinha digital, do ponto de vista de uma época em que o vinil parecia estar prestes a receber a extrema unção. 


Qualidade do CD: Puro som

Nunca se ouviu música igual: técnicas derivadas da Informática e das pesquisas com raio laser proporcionam nos compact discs um registro sonoro impecável e a salvo de desgastes.

Luiz Guilherme Duarte

Luz! Computador! Som! Não importa se é um acorde suave de um concerto de Vivaldi ou um estrondo de guitarra de rock, os amantes da música em todo o mundo estão encantados com o que ouvem em seus novos toca-discos a laser, um som tão puro como o que, durante uma gravação, preenche os estúdios protegidos contra qualquer outro ruído. Esse prazer é dado pelo compact disc (disco compacto), ou simplesmente CD, um disco de plástico revestido de alumínio, com apenas 12 centímetros de diâmetro e 16 gramas de peso, capaz de armazenar 70 minutos de som — o dobro de um disco comum —, graças à união da tecnologia do laser com a da Informática.

A ilusão proporcionada pelo CD, que faz o ouvinte imaginar-se sentado no meio de uma orquestra durante um concerto, deixa mudos os fabricantes, cujos estoques evaporam sem que eles sequer gastem muito dinheiro em publicidade. Meros dois anos depois que a Sony japonesa e a Philips holandesa lançaram o sistema, na Feira de Áudio de 1982, no Japão, as vendas mundiais da última maravilha da alta tecnologia em matéria de bens de consumo já haviam alcançado a marca de 20 milhões de unidades. Isso faz do toca-discos a laser o eletrodoméstico de difusão mais rápida na história do setor. O videocassete, outra estrela ascendente da eletrônica, levou quase sete anos para chegar ao mesmo ponto.

Uma das poucas inovações reais no método de se registrar e reproduzir sons, desde que em 1877 o inventor americano Thomas Edison (1847-1931) criou o fonógrafo, o sistema seduz os ouvidos também pelas suas credenciais de "bem perene", isto é, uma tecnologia que se apresenta como insuperável. Foi, de fato, uma transformação que merece ser chamada revolucionária. Os LPs atuais, uma criação do engenheiro húngaro- americano Peter Goldmark em 1948, arquivam o som sob a forma de pequenas irregularidades esculpidas em sulcos num prato de vinil, um tipo de plástico. Quando uma agulha de diamante percorre esses entalhes, a vibração gera uma corrente elétrica variável, que é convertida em som. Os toca-fitas, de seu lado, lêem o som em partículas magnetizadas numa tira de plástico. Nos dois casos, o processo é conhecido como analógico, no qual o som ouvido é uma réplica física do som gravado.

A extraordinária vantagem do toca-discos a laser, como se sabe, é que este dispensa a agulha ou a cabeça de leitura de fitas, que permanecem em atrito com a superfície de gravação, provocando distorções e inevitável desgaste. Num processo semelhante ao utilizado pelos computadores, os sons são convertidos em códigos digitais binários, ou seja, combinações de zero e um, armazenadas no disco em 2,5 bilhões de microscópicos relevos altos e baixos. No lugar da agulha, um fino feixe de raios laser atravessa o plástico e "varre" o disco, que começa girando à velocidade de quinhentas rotações por minuto, que cai gradativamente para 250, para que a leitura do laser se mantenha constante enquanto o feixe vai do centro para a periferia.

Um diodo fotossensível acoplado a um tipo de microcomputador capta os reflexos dos raios na camada de alumínio — que variam de acordo com a ondulação impressa no plástico — e reconverte os códigos digitais em som. Isso só é possível, portanto, porque as diferenças no relevo do disco fazem com que os reflexos de luz também sejam fisicamente diferentes. Como não há qualquer contato mecânico com a superfície do disco, o som ouvido está livre de distorções. Mesmo que o laser passe sobre marcas profundas, daquelas capazes de fazer saltar longe a agulha de um toca-discos convencional, o microcomputador usará o material gravado imediatamente antes e depois do risco para cobrir a ausência de informação no lugar. Além da impecável qualidade do som, o processo digital dispõe dos mesmos recursos dos sistemas computadorizados. Assim, sua memória permite selecionar músicas inteiras ou apenas certos trechos, para o ouvinte programar o próprio repertório, e todos os comandos podem ser dados a distância, por meio de um controle remoto — como só uma face é gravada, ninguém precisa levantar-se para virar o disco.

Melhor ainda: como o princípio básico de leitura é comum a todos os toca-discos a laser, mesmo o modelo mais simples — o disc-walkman lançado pela Sony no Brasil há dois anos — apresenta a mesma qualidade de som que os maiores e mais avançados sistemas. Difícil mesmo, muito mais difícil do que no caso das fitas- cassetes e dos LPs comuns, é fazer um compact disc. Afinal, em um único lado do disco, cerca de 720 mil sulcos de 0,1 mícron (milésimo de milímetro) de profundidade, chamados pits, estão cheios de pontos que refletem ou não o laser, compondo códigos equivalentes a até 250 mil páginas de informação, seja ela programas de computador, imagens ou sons.

Até 1984 os CDs só eram produzidos no Japão e na Alemanha: transcorridos menos de quatro anos, cerca de oitenta fabricantes se habilitaram em mais de uma dezena de países, incluindo o Brasil. "Investimos 18 milhões de dólares na importação de tecnologia e de equipamentos, além do treinamento de técnicos no exterior", conta Roberto Pol, gerente da empresa paulista Microservice, a única fabricante de CDs na América Latina. Segundo Pol, a confecção de um CD nacional começa nos Estados Unidos, para onde são enviadas as grandes fitas magnéticas profissionais com a gravação das músicas feita em estúdio. Já nessa fase se manifesta a diferença de qualidade. Em cada disco, uma senha de três letras indica os processos utilizados na gravação, mixagem (ou mistura) de sons e industrialização. Quanto mais CDs, de digital, a senha contiver, melhor a qualidade.

Nos estúdios americanos a fita analógica recebe códigos digitais, impressos por um fino feixe de laser de íons de argônio em um vidro revestido com uma camada sensível, apropriadamente designado "mãe". O feixe de luz azul de 457,8 nanômetros (milionésimos de milímetro) deixa o canhão de emissão de raios com uma potência de 5 watts — o que é muito para um laser. No caminho até a placa de vidro, porém, o raio perde grande parte de sua energia. Desse modo, ao chegar ao ponto focal, o de maior concentração de luz, a potência do raio se limita a ínfimos 4 miliwatts — o suficiente para expor a camada de verniz sensível à luz. No final, a placa de vidro ainda passa por um banho alcalino para remover os excessos de verniz e só então recebe uma cobertura de níquel, que assim adquire a sua forma definitiva com todos os pits em alto relevo.

A niquelação pode ser feita por evaporação, a técnica mais antiga, ou por pulverização. Na primeira, os átomos de metal saltam de um recipiente aquecido para a "mãe", sob elevado vácuo, depositando-se como um floco metálico sobre a superfície. Essa casca metálica, o "pai", é retirada para servir de molde na prensagem do produto comercializado, de plástico. Geralmente, existem vários pais para um mesmo disco, pois cada um consegue reproduzir no máximo 10 mil unidades. No Brasil, como em qualquer país produtor de CDs, o pai é tratado como uma pessoa que fosse passar por uma cirurgia. Realmente, todo o processo de fabricação transcorre em ambientes onde o ar, a exemplo das salas de operação dos melhores hospitais, é rigorosamente filtrado — um grão de pó que seja comprometerá o CD, já que o laser pode refletir-se nele. Assim, enquanto nos hospitais se admite até 33 mil partículas de poeira por metro cúbico de ar, na empresa as salas têm menos de um décimo disso em circulação.

Os técnicos usam roupas especiais, feitas de tydek, um tecido de papel, e passam por uma câmara onde um jato de ar de alta intensidade remove o que houver de sujeira do traje. Além disso, em alguns países, todo o ambiente é mantido sob pressões atmosféricas mais altas que o normal a fim de reter eventuais partículas no solo e impedir que alcancem as máquinas. Em determinados recintos, as pessoas evitam até mesmo falar, embora usem máscaras, para não propagar partículas. Apesar de todos esses cuidados, o trabalho consiste apenas em fiscalizar os robôs, que fazem tudo, menos embalar o produto final. "Começamos por tratar o policarbonato, um tipo de plástico descreve Pol enquanto exibe um punhado de grãos transparentes da resina. Aquecidos até se liquefazerem e injetados sob alta pressão contra o molde, 14 gramas de policarbonato, a matéria-prima do disco, se formam, com as ranhuras impressas, por um resfriamento brusco.

Uma fina camada de 80 nanômetros de alumínio de alto brilho é depositada a seguir sobre um dos lados por um método parecido com aquele utilizado na criação do "pai". Isso torna os discos tão brilhantes que a luz neles se reflete com as cores do arco-íris. Para proteger o metal, ele é envernizado com 500 miligramas de uma laca especial muito resistente, sobre a qual finalmente é aplicado o texto de identificação, por meio de técnicas de silk screen, o mesmo processo utilizado para imprimir imagens em camisetas — e o disco está pronto. Pelo menos 9 milhões de unidades deverão ser fabricadas este ano no Brasil, contra 4,5 milhões no ano passado e 1,8 milhão em 1988. A produção cada vez maior, no país e no exterior, está baixando o preço real do CD e dos toca-discos nas lojas, assim como aconteceu com outros bens de consumo eletrônicos.

Em 1983, os aparelhos eram vendidos no mercado internacional por cerca de 1000 dólares e cada disco por 20. Hoje, no exterior, pode-se encontrar toca- discos por menos de 200 dólares (três vezes mais no Brasil) e CDs por 12 (mesmo preço aqui). Isso explica por que os compact discs de música popular aumentaram, em toda parte, de algo como 25 por cento do total das gravações para 70 por cento. Desde o primeiro disco a laser nacional, uma seleção de músicas do cantor Caetano Veloso, lançado em 1987, o preço do CD brasileiro também tem ficado mais acessível. No começo, um CD custava tanto quanto quatro LPs. "Hoje em dia, nas lojas de departamentos, que mantêm grandes estoques, o preço se equivale", compara Pol, da Microservice. "Nas lojas de discos, que compram menos, fica difícil manter a paridade, mas como o CD contém o equivalente a dois LPs, ainda estamos em condições de competir."

No mundo inteiro o resultado da concorrência parece já estar definido — a favor do laser. No ano passado, a produção dos disquinhos brilhantes superou a de LPs, cujas vendas, por sinal, caíram pela metade em cinco anos de confronto com a nova tecnologia. Na verdade, o consumo das tradicionais bolachas de vinil foi superado desde 1985 pelos cassetes que, aos dezoito anos de existência e graças principalmente ao advento do sistema portátil walkman, chegaram ao auge da aceitação popular. O receio de que os long-playings estejam com os dias contados tem feito soar as únicas notas desafinadas na sinfonia de elogios aos CDs. Nos Estados Unidos, o especialista Harry Pearson, editor do periódico Absolute Sound, atacou: "O compact disc não capta todas as nuances do som e não permite distinguir entre um violino e uma viola". A primeira afirmação é verdadeira. A segunda, não. Mas a ameaça mais séria à nova tecnologia apareceu em 1988, quando a fabricante inglesa Nimbus Records acusou defeitos de fabricação nos discos. Segundo a Nimbus, empresários gananciosos estariam diminuindo a qualidade do produto, usando tintas corrosivas e esmaltes de vida curta, o que exporia o alumínio e comprometeria o som. Além disso, afirmou-se que, embora as campanhas apregoem que os discos sejam virtualmente eternos, a vida útil de um CD seria de dez anos no máximo—aproximadamente a metade de um vinil. Tudo leva a crer, porém, que isso não tem fundamento. Nem por isso se deve manuseá-lo descuidadamente: como o LP, ele pode riscar-se, ficar empoeirado ou engordurado, em prejuízo da qualidade do som. "Felizmente aquela onda já passou", suspira Pol.

Segundo ele, defeitos numa produção em série podem ocorrer, apesar do controle de qualidade em quatro etapas, mas as lojas trocam sem problemas o produto defeituoso. Os padrões internacionais de produção admitem um máximo de quinhentos erros de leitura de sons por segundo. Parece muito, mas nem é perceptível pelo ouvido humano. Para assegurar essa qualidade, o disco pronto é submetido a uma inspeção visual — nenhuma luz pode passar por ele, caso contrário não haverá reflexão do laser. Depois o computador e um toca-discos profissional fazem a leitura integral do conteúdo e emitem um relatório. Prova de que o disco compacto veio para ficar, fabricantes e consumidores dão as boas- vindas às novas versões da tecnologia laser. Mais baratos e totalmente compatíveis com os toca- discos a laser disponíveis, os mini-CDs, com 8 centímetros de diâmetro e até 20 minutos de gravação, já podem ser encontrados nas lojas de vários países. Mas o CD-V ("V" de vídeo), embora viável tecnologicamente, ainda precisa diminuir de tamanho (os discos têm o tamanho de um LP) e vencer a dura concorrência com o videotape antes de ser produzido em massa. O sonho dos técnicos, em todo caso, é chegar a um sistema capaz de ler e gravar com a mesma perfeição uma infinidade de sons, imagens e informações. O mundo será, então, mais redondo, brilhante e achatado.

Para saber mais:

(SUPER número 10, ano 3)

(SUPER número 7, ano 10)


Pirataria digital

Uma nova expressão, "musical pirata", entrou para o léxico dos apreciadores de música. Refere-se aos discos e fitas, analógicos e digitais, lançados no mercado de forma irregular, obra de contraventores ou de inocentes audiófilos que não vêem mal algum em gravar algumas músicas para os amigos. Para os auto-denominados "produtores independentes", que ignoram direitos autorais alheios, o advento da tecnologia digital oferece a possibilidade de gerar cópias clandestinas tão boas quanto os originais. No Brasil, onde o preço de um sistema a laser e dos próprios discos ainda é elevado para a grande maioria da população, multiplicam-se os clubes de locação de CDs e os discos acabam sendo copiados em fitas cassetes. Justamente prevendo a proliferação dessas cópias não autorizadas, os grandes produtores multinacionais de música tentaram em vão boicotar o disco laser.

Perdida essa batalha, hoje sua dor de cabeça é outra: segurar a expansão da nova tecnologia DAT (Digital Audio Tape-Recorder, ou gravador de fita digital). Provido de, um circuito que permite converter sinais analógicos em digitais, oferecendo assim uma qualidade sonora igual à do CD, esse novo gravador-reprodutor foi lançado em 1987 no Japão e em pouco mais de um ano vendeu mais de 70 mil unidades. Sua fita, de duas horas de gravação e de tamanho equivalente à metade de um cassete comum, promete rivalizar em breve com o sistema laser, levando sobre este a vantagem de aceitar várias gravações — exatamente o atributo contra o qual investe a indústria do disco. Nos Estados Unidos, produtores de música e fabricantes parecem ter chegado a um acordo: cada gravador conterá um chip que irá determinar um código digital específico na fita, quando esta receber a primeira cópia. Esse código bloqueará novas cópias dessa fita. Assim, os consumidores poderão copiar um CD, mas essa versão não poderá ser usada para produzir outras fitas.