17 de março de 2014

MODERNOS OU ANTIGOS, PROCURA POR TOCA-DISCOS AUMENTA COM A VOLTA DOS LPs

Postarei hoje uma matéria de Juliete Lunkes para o jornal catarinense Notícias do Dia. Apesar da abordagem local, o texto reflete uma realidade abrangente. Afinal, o aumento na procura pelos discos de vinil em nosso país e a retomada das prensagens nacionais conflitam com a realidade do mercado tecnológico brasileiro. Acompanhe:

Em meados de 2008, quando começou a pipocar no Brasil a notícia de que lá fora a venda de discos de vinil vinha aumentando exponencialmente, muita gente duvidou que o bolachão fosse de fato voltar às estantes dos brasileiros saudosistas e mais ainda que ganharia a atenção de jovens que usavam fraldas quando ele começou a sair de cena por aqui. Mais de cinco anos se passaram, a única fábrica de discos da América Latina, que estava parada, voltou a produzir, músicos brasileiros começaram – ou voltaram – a lançar suas músicas em LP e já não restam dúvidas de que o mercado está mesmo aquecido. A questão agora é outra: é fácil e acessível encontrar aparelhos, novos ou antigos, para rodar a velha novidade? E a manutenção para quem for tirar o pó do toca-discos guardado há 20 anos, é viável?

Proprietário da loja Mania Móveis Usados, Vanderlei Cordeiro mostra radiola da década de 1940 (Foto: Daniel Queiroz/ND)
Mais do que a vontade de trazer o velho ritual de volta e a disposição de vasculhar, quem precisa estar preparado antes de tudo é o bolso do colecionador mais saudosista. É entre R$150 e R$5.800 que ele deve deixar na loja de artigos usados se quiser adquirir um toca-discos, uma vitrola ou mesmo radiola, nem sempre funcionando muito bem.

O vasto acervo eletrônico da loja Mania Móveis Usados, no Centro de Florianópolis, conta hoje com aparelhos da década de 1940, como a radiola em perfeito funcionamento que sai pela bagatela de R$4.800, até os toca-discos mais “modernos”, da década de 1980, que ainda precisam passar por revisão e podem ser levados para casa por R$150. Embora a loja comercialize alguns aparelhos que não passaram pelas mãos de um especialista em recuperação, a maior parte dos que são colocados à venda receberam todos os ajustes necessários e dão um banho em muito produto novinho em folha.

De acordo com Vanderlei Cordeiro, proprietário da loja, o que define o valor de cada aparelho não é exatamente a idade dele, mas justamente seu estado de conservação e funcionamento. Normalmente ele põe um lucro de 100% em cima de cada um dos produtos, que chegam até ele de todas as maneiras. “Às vezes as pessoas vêm vender aqui na loja e outras vezes entram em contato pela internet e a gente vai na casa do cliente avaliar o aparelho. Uma vez fui visitar um que tinha um toca-discos guardado no armário há 20 anos e a mulher dele conseguiu convencê-lo a se desfazer”, lembra Vanderlei, que comanda a loja há 18 anos e há sete abriu uma filial não muito longe dali.

Há seis meses exposta no piso superior da loja, a radiola de 1960, de madeira maciça e qualidade sonora surpreendente, ganhou, na semana passada, uma etiqueta de vendida e está aguardando seu novo dono retirá-la. “Apesar de ela ser cara (custava R$5.800) o comprador não é uma pessoa rica, é gente humilde que compra porque realmente gosta”, ressalta Vanderlei, garantindo ser um ótimo investimento.

“Hoje dia tem também esses toca-discos novos para vender por aí, mas acho que as pessoas ainda compram esses antigos porque gostam do barulhinho que eles fazem. A maior parte dos clientes é um pessoal que curtiu o vinil no passado e quer reviver isso”.



Uma coisa leva à outra

Além dos próprios toca-discos, a loja de Vanderlei dispõe também de uma vasta coleção de discos, para quem quiser sair de lá já com material para alimentar seu aparelho. E a lógica é legítima: quanto mais toca-discos saem, mais bolachões são vendidos. E vice-versa.

De acordo com o comerciante, a saída dos discos hoje é surpreendente e chega a até 250 unidades por mês. “Tem gente que vem e fica meia hora olhando, escolhendo. Vem muito cliente de fora também. O que mais sai é rock e MPB, mas principalmente rock”, ressalta. Apesar da alta procura, Vanderlei afirma que, em contrapartida, ainda tem muita gente querendo se desfazer de suas coleções e dos próprios aparelhos, o que garante o reabastecimento constante das prateleiras.

A uma quadra dali, em um dos sebos da cidade mais frequentados por colecionadores de discos, o Elemental, a questão do gênero musical é corroborada pelo funcionário Adriano da Rosa: os roqueiros realmente são quem mais se interessam pelo vinil hoje. “Vem gente de todas as idades comprar, mas os mais jovens geralmente olham mais do que levam”, afirma. Um dos motivos para isso é o preço salgado de alguns títulos, como o “Help” dos Beatles, original da época, que sai por R$150. Apesar de ter elegido seu disco favorito no acervo da loja, o “Arise”, do Sepultura, Adriano afirma que já se desfez de sua coleção e que por isso não compra mais os títulos da própria loja. “Mas eles às vezes levam”, diz, apontado para os colegas. O sebo costuma vender pelo menos 70 LPs por mês.


Novinho em folha

De olho especialmente no público jovem que está descobrindo agora o prazer de ouvir suas bandas favoritas no vinil, marcas como Teac, Crosley e a brasileira Ribeiro Pavani estão investindo forte em toca-discos modernos, mas com carinha retrô. Além das vendas pela internet, algumas grandes redes de lojas de eletrodomésticos e até de supermercados já comercializam as marcas em seus espaços físicos. 

Há quatro anos representando a japonesa TEAC, especializada em aparelhos e áudio e gravação, a distribuidora Link do Brasil percebeu um aumento significativo nas vendas de toca-discos a partir de 2012. “Inicialmente o público predominante era de uma faixa etária entre 50 e 65 anos, pessoas que mantiveram as suas coleções de discos durante anos e agora viram a oportunidade de voltar a ouvi-los. Hoje, com o aumento da produção de discos e os preços que lentamente estão caindo, isso mudou e o jovens entre 25 e 35 anos estão entre o principal público”, explica Sami Douek, responsável pelo setor de desenvolvimento de produtos da Link do Brasil. A TEAC atualmente trabalha com três modelos de toca-discos, que variam de R$ 1.800 a R$ 2.400. O mais moderno deles – e também o mais caro –, lançado em dezembro de 2013, vem com duas caixas acústicas destacáveis, além da tecnologia Bluetooth, que permite a transferência de arquivos de áudio diretamente do computador ou do celular. “Esse produto é o que eu chamo de ‘menina dos olhos’, tem um incomparável custo benefício”, garante Sami. De acordo com ele, o crescimento na venda de toca-discos tem registrado anualmente um aumento de aproximadamente 30%.Entre as principais lojas que trabalham com os produtos da TEAC estão a Fnac, as lojas Colombo, Submarino, Magazine Luiza e Fast Shop, embora apenas em São Paulo e no Rio de Janeiro eles sejam encontrados nos espaço físicos.

Yuri Bevilacqua especializou-se na recuperação de vitrolas e toca-discos antigos. O trabalho pode levar até três meses (Foto: Rosane Lima/ND)


Manutenção e recuperação

Mesmo com a opção de comprar um toca-discos moderno e com cheirinho de novo, parte dos novos e velhos adeptos do LP ainda dá preferência aos modelos antigos, e razões para isso não faltam. Há 25 anos instalada na Lagoa da Conceição, a eletrônica Tecnotronic, comandada por Valter Bevilacqua e o filho Yuri, viu a demanda por recuperação e manutenção de toca-discos aumentar consideravelmente de um ano para cá. “Hoje a gente recebe em torno de dez aparelhos por mês, da vitrolinha aos mais modernos, sendo que uma recuperação pode levar até três meses”, conta Yuri, responsável por dar vida nova a todos os que chegam na eletrônica. Ele conta que aparece todo o tipo de gente na porta do estabelecimento com todos os tipos de aparelhos em mãos, embora os mais jovens ainda optem pelos mais simples e baratos.

Amante do vinil desde criança e não satisfeito apenas com sua coleção que já ultrapassa 400 títulos – e que fica longe da eletrônica, onde só um do Balão Mágico e outro do Iron Maiden circulam para testes –, Yuri também coleciona toca-discos. O rapaz já acumula em casa 25 deles desde começou a trabalhar com o pai, na década de 1990, quando passou ter verdadeira adoração por eles.

Para refazer toda a estrutura dos aparelhos que recebe, desde a restauração da madeira até a parte elétrica, Yuri afirma que é sempre complicado conseguir as peças necessárias. “Tudo é difícil aqui no Brasil, tenho que comprar dos Estados Unidos e é tudo muito caro, o imposto é enorme”, desabafa. Por causa disso, uma restauração completa custa em torno de R$350. Mesmo assim, no alto de sua experiência como técnico e colecionador, ele garante que vale muito mais a pena recuperar um toca-discos antigo do que comprar um novo. “Esses que fabricam agora não são bons, são todos feitos de plástico e na China”, dispara.


4 comentários:

Yurimpala disse...

Boa noite! Muito obrigado por publicar em seu blog a matéria dos toca-discos que saiu no Jornal.

Se precisares de qualquer coisa relacionada a toca-discos, entre em contato. e.tecnotronic@gmail.com

Grato, Yuri Bevilacqua

Roqueiro Curitibano disse...

Boa tarde, Yuri.

Fico feliz pelo seu comentário. E parabéns pelo seu trabalho. Sucesso.

Att,

Denis.

MGM CTBA disse...

Temos uma radiola da philco phillips tipo estante q vc empurra a parte cima e ela abre o toca disco e o radio..
Nas latetais tem duas portas pra huardar os discos...nao funcionam.
Tem como recuperar??

Roqueiro Curitibano disse...

Olá MGM CTBA,

Na verdade postei a matéria em questão em meu Blog, mas não faço parte dessa equipe de conserto de toca-discos. Não tenho ninguém específico para te indicar, mas vale a pena consultar o pessoal citado na postagem e procurar outros aqui pela capital. Muito obrigado por visitar o Blog e comentar. Um abração!

Att,

Denis Luiz